Pular para o conteúdo

Salmo 82 estudo

O Salmo 82 é um dos textos mais intrigantes do Antigo Testamento, pois apresenta uma cena na qual Deus convoca uma assembleia divina para julgar os deuses das nações. Esse Salmo é repleto de simbolismos e metáforas, o que o torna alvo de diversas interpretações e debates teológicos. Neste artigo, faremos um estudo aprofundado sobre o Salmo 82, explorando o seu contexto histórico, as suas principais características e as suas possíveis interpretações. Além disso, discutiremos a relevância desse Salmo para a nossa vida cristã e como podemos aplicar seus ensinamentos em nosso cotidiano.

O quê Salmos 82 nos ensina?

O Salmo 82 é um dos salmos mais interessantes, pois nos ensina algumas lições importantes sobre a justiça divina e a responsabilidade humana. Este salmo começa com Deus presidindo uma espécie de tribunal divino, onde Ele julga os deuses e governantes humanos.

A primeira lição que podemos aprender com este salmo é que Deus é o único juiz verdadeiro. Ele é justo e imparcial em seus julgamentos, e não há ninguém que possa se comparar a Ele em termos de sabedoria e discernimento.

A segunda lição é que Deus espera que aqueles que têm autoridade e poder exerçam suas funções com justiça e equidade. Os governantes humanos são chamados de “deuses” neste salmo, e isso indica que eles têm uma responsabilidade especial diante de Deus e dos homens.

A terceira lição é que Deus é um defensor dos fracos e oprimidos. Ele se preocupa com aqueles que são injustiçados e explorados pelos poderosos, e espera que aqueles que têm autoridade usem-na para proteger os necessitados e oprimidos.

Por fim, o Salmo 82 nos ensina que a justiça de Deus será feita, mesmo que os poderosos e governantes humanos falhem em seus deveres. Deus é o juiz final, e ninguém pode escapar de seu julgamento justo e preciso.

Quem é o autor do Salmo 82?

O Salmo 82 é atribuído a Asafe, um dos levitas designados pelo Rei Davi para liderar a música no templo de Jerusalém. Asafe é mencionado em várias passagens do Antigo Testamento como um músico e poeta, e é creditado como o autor de outros salmos, incluindo o Salmo 50 e o Salmo 73.

Embora a autoria do Salmo 82 seja atribuída a Asafe, há também alguns estudiosos que argumentam que o salmo pode ter sido escrito por um autor desconhecido. No entanto, a tradição judaica e cristã tem consistentemente atribuído a autoria a Asafe.

Independentemente da autoria, o Salmo 82 é um dos muitos salmos que ressoam com os temas da justiça, misericórdia e poder de Deus, e continua a ser uma fonte de inspiração para muitos crentes hoje.

Onde Jesus cita o Salmo 82?

No Novo Testamento, em João 10:34-36, Jesus cita o Salmo 82 enquanto discute com os judeus sobre sua divindade. Ele diz: “Não está escrito na vossa lei: Eu disse: sois deuses? Se ele chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada), àquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo dizeis: Blasfemas, porque disse: Sou Filho de Deus?”

Jesus usa o Salmo 82 para mostrar que, se até mesmo humanos podem ser chamados de “deuses” na Bíblia, como os juízes em questão no Salmo, então como ele, que é o Filho de Deus enviado pelo Pai, não pode ser divino?

O que quer dizer o Salmo 82 6?

O Salmo 82 é um dos mais intrigantes e controversos da Bíblia. O verso 6, em particular, é objeto de muitas discussões e interpretações diferentes. Ele diz: “Eu disse: vós sois deuses, e todos vós filhos do Altíssimo”. Mas o que exatamente isso significa?

Alguns acreditam que o Salmo 82 se refere a seres divinos e celestiais que governam o universo, enquanto outros o interpretam como uma metáfora para juízes humanos que devem agir com justiça em nome de Deus. Ainda há aqueles que veem nesse verso uma referência à nossa própria natureza divina e à nossa capacidade de nos conectar com o divino.

Independentemente da interpretação que você prefere, o Salmo 82 é um lembrete poderoso de que todos nós temos uma responsabilidade moral e ética pelo bem-estar dos outros e pelo mundo ao nosso redor. Ele nos chama a agir com justiça, compaixão e amor, e a lembrar sempre da nossa conexão com o divino.

Conclusão

O Salmo 82 oferece um lembrete poderoso de que a justiça é essencial para uma sociedade saudável. O Salmo também nos lembra que Deus é o juiz supremo, que trará justiça a todos. Como cristãos, devemos buscar a justiça e defender os oprimidos, sabendo que Deus está do nosso lado.

Em conclusão, o Salmo 82 é um chamado para que os líderes governem com justiça e equidade. Deus é o Supremo Juiz e aqueles que têm autoridade sobre os outros devem agir com sabedoria e compaixão. Este salmo também nos lembra que todos nós somos responsáveis ​​pelo bem-estar dos menos favorecidos e devemos fazer o possível para ajudá-los. Portanto, que este estudo do Salmo 82 nos inspire a sermos líderes justos e compassivos em todas as áreas de nossas vidas. Que possamos sempre buscar a vontade de Deus e agir com sabedoria e amor, para que possamos fazer a diferença neste mundo.

Deixe sua avaliação